Hoje é quarta-feira, 17 de janeiro de 2018

Publicidade

UMA VISÃO PSICANALÍTICA DOS SETE PECADOS CAPITAIS – Artigo de Jackson César Buonocore

05 de janeiro, 2018 às 13:31 - por Jackson César Buonocore

O filósofo e teólogo São Tomás de Aquino revisou a lista dos Sete Pecados Capitais, explicando a importância de conhecer os nossos instintos mais primitivos. A psicologia junguiana nos alertou que a raiz do mal desperta em nós emoções violentas, que reprimimos da nossa consciência. Entretanto, somos capazes de colocá-las à luz de teorias filosóficas e psicanalíticas, aplacando-as com o nosso autoconhecimento e conscientização.

IRA

As pessoas que se comportam de modo irado têm uma pulsão de morte, gerando hostilidades por onde passam. Esse desequilíbrio muda a expressão facial, que é tomada por “sangue nos olhos”. A ira esconde no inconsciente o medo de errar e de perder espaço. Utiliza-se da fúria para bancar privilégios, pois os indivíduos raivosos preferem agredir para defender-se dos seus “fantasmas”.

GULA

A gula pode estar ligada à fuga da fase oral mal resolvida. Esse vício exagerado por comida desequilibra a mente e o corpo, transforma as pessoas em animais esfomeados. A gula destrói a saúde, criando um círculo vicioso: comida em demasia para acalmar a ansiedade, culpando-se por isso, come-se cada vez mais.

PREGUIÇA

A preguiça tem um espírito indolente, tornando as pessoas empedernidas, que mostra a falta autoconfiança ou talvez um traço distêmico. Faz com que elas desprezem as soluções dos problemas, não só pela apatia física, mas pelo desleixo de pensar e agir, deixando tudo para resolver depois.

LUXÚRIA

A luxúria é o mais sedutor dos vícios, uma vez que seus prazeres são oriundos da sexualidade hedonista, que liberta o conteúdo libidinoso do inconsciente, liberando com furor o desejo sexual. Como disse Freud: “Alguma renúncia é necessária à Civilização”. Aliás não espere isso da libidinagem, que age de preferência à noite, soltando os instintos até a mais completa animalidade.

AVAREZA

É uma máquina de injustiças, chefiada por especuladores e corruptos. O delírio de grandeza dessa gente é ver a miséria dos cidadãos, já que eles lucram com falência de todos. Há uma visão infantil, de que o “pão-durismo” do velhinho é porque ele poupa o seu dinheiro de baixo do colchão, mas o que vemos são gananciosos, que arruínam famílias, cidades e países.

INVEJA

A inveja por onde passa envenena tudo o que é bom. A cobiça é uma maldade cometida pelos olhos e funciona como um mecanismo de defesa. Uma de suas filhas é a fofoca, que gera infâmia ao seu redor. O alvo da inveja é, sobretudo, a felicidade alheia, por ser incapaz de ver o brilho das pessoas. É uma das emoções mais baixas, que corrompe o próprio invejoso e a sociedade.

SOBERBA

A soberba odeia transparência. Ela induz as pessoas a desrespeitar as leis. A empáfia traz um sintoma psicopatológico, no qual o sujeito acredita que é um “ente superior”, que se coloca como estivesse em cima de um pedestal de mármore. A arrogância possui uma relação umbilical com a falsidade, e tudo isso de maneira desmedida, que encontramos em vários setores da sociedade.

Portanto, os Sete Pecados Capitais continuam contemporâneos: superexpostos nas redes sociais, glamorizados pela grande mídia, usados como método pela elite política, etc. Em seguida são fabricados os fármacos para tentar curar esses males, que adoecem a alma e o corpo. No entanto, temos condições objetivas e subjetivas de aplacá-los através das virtudes humanas, que Platão e outros filósofos resumiram em quatro tipos: prudência, justiça, fortaleza e temperança.

Jackson César Buonocore é sociólogo e psicanalista

Publicidade

2016 - Todos os direitos Reservados