Hoje é quarta-feira, 17 de janeiro de 2018

Publicidade

UM REINO ENCANTADO EM BRASÍLIA – Crônica de João Eichbaum

12 de dezembro, 2017 às 11:29 - por João Eichbaum

Hélio Schwartsman, da Folha de São Paulo, em crônica intitulada “Abaixo a Monarquia”, não esconde sua perplexidade diante da existência da monarquia ainda nos dias de hoje. “Não vejo aqui nenhum raciocínio para justificar que um grupo de pessoas, apenas por ter nascido numa família, goze de um estatuto jurídico diferente daquele conferido ao restante dos cidadãos” –  diz ele.

Mas, o Hélio não se deu conta de que no deserto da miséria, do desemprego, da violência, das mortes por omissão do Estado, nessa republiqueta chamada Brasil, de longe se avista um oásis. De lá, uma Corte, que não pertence a esse mundo, projeta sua magnificência.

Nessa Corte vivem- ou flutuam – onze ministros, que não são reis, nem príncipes e não têm sangue azul, mas se apuram como se majestades fossem e se comportam como deuses.

O mundo deles é outro. Eles se enclausuram na “turris eburnea”, a torre de marfim que os separa do mundo e os preserva de todas as maldades e misérias que assolam as demais criaturas desse país.

Do orçamento da União, no ano passado, suas majestades, ops, suas excelências abiscoitaram uma quantia digna de qualquer reino, com todas as pompas e circunstâncias: quinhentos e cinquenta e quatro milhões, setecentos e cinquenta mil, quatrocentos e dez reais. Para quem não sabe: é  dinheiro do trabalhador tosquiado pela Fazenda.

Não é para menos. Poucos são os reinos que contam com tantos pajens. Certamente porque, para a arte de viver, seus valores são outros, as onze excelências têm a servi-los: 306 estagiários, 25 bombeiros, 85 secretárias, 293 vigilantes, 194 recepcionistas, 29 encadernadores, 116 serventes de limpeza, 24 copeiros, 27 garçons, 8 auxiliares bucais, 12 auxiliares de desenvolvimento infantil, 58 motoristas, 7 jardineiros, 6 marceneiros, 10 carregadores de bens, 5 publicitários, 19 jornalistas. A tudo isso se somam assistência médica e odontológica, cursos de joga, massagem e oficina de respiração (?), auxílio-funeral e auxílio-natalidade.

Essa folclórica diversidade de funções monta um mundo de fantasia construído sobre as ruínas dos princípios estabelecidos no artigo 37 da Constituição Federal. Nesse mundo se abrigam o desdém pela miséria, o deboche da pobreza e as consciências ofuscadas pelo esplendor da vaidade. Sua ostentação afronta a inteligência do contribuinte, mas atiça a devoção dos impávidos e eternos aduladores da toga.

Nenhum autor de histórias de fantasia conseguiu reunir tanta quimera em obras literárias. Mas, o Supremo Tribunal Federal, por obra de um gênio qualquer, chegou lá. Um gênio insensato, descomprometido com a ética e sem noções de responsabilidade social. Enroscado em tais predicados, ele não poderia ser juiz em lugar nenhum do mundo. Mas sua obra assumiu a hierarquia dos encantos que se eternizam: ninguém, até hoje, teve força moral, peito ou bigode para destruí-la.

Autor

João Eichbaum

Publicidade

2016 - Todos os direitos Reservados