Tava tudo misturado, pobre se achando rico, rico se sentindo empobrecido.
Classe A, B, C, D, E, consumismo sem consciência política aumentando.
Se encontravam no avião, se encontravam na universidade.
Esse tal capitalismo nunca nos fez bem, só manteve o status deles e confundiu quem nada tinha.
Aí cresceu tanto a economia, com distribuição de renda, pobre conquistou casa, carro, mas sempre acreditando que era mérito de sua luta individual.
Se iludiu tanto com o consumo e com os ” reclames do plim plim”, que de repente se somou ao discurso fácil de que jamais dependeu da política para crescer.
Se voltou contra quem por opção e não por casualidade, fez a pirâmide inverter.
Bateu panela junto, gritou fora PT, achou que corrupto era quem governou enriquecendo .
Apoiou misturado com os privilegiados historicamente a queda da inclusão social.
Deu tchau pra querida e esperou um novo Brasil com ponte para o futuro acontecer.
Mas quando veio a realidade, os patos riram dos pobres.
Quem pagou o preço fomos nós.
Fomos tirados do orçamento, congelaram nossos sonhos por 20 anos, nem educação, nem saúde, nem assistência crescerão até 2037.
Tiraram nossos direitos, cresceu o desemprego e disparou a pobreza.
Mesmo assim, para muitos, o combate à corrupção poderia justificar esse apoio.
Seria uma última expectativa.
O golpista foi pego comprando, comprou mais ainda, para se manter, e se manteve.
Vários deles foram comprovadamente pegos roubando, perdoados pela mídia e pela justiça, aí estão: livres, leves, soltos e rindo muito.
O dito ” corrupto”, segue ameaçado, por causa de um triplex que nunca foi seu, está sendo levado à degola.
Julgamento político, massacre diário, e o povo se deu conta: foi golpe contra nós.
Tava tudo misturado, e hoje a ficha caiu.
Nós somos a classe trabalhadora deste país, aquela que move o crescimento e a luta social.
Tava tudo misturado, mas nessa luta de classe, é melhor cada um assumir seu verdadeiro lugar.
Ou eles acabam conosco e nos escravizam ou nós os derrotamos e seremos sujeitos novamente.
Não há meio caminho.
Ou lutar, ou lutar.
Nessa curva da história, uni-vos!
Dia 24/01/18, todos/as nas ruas, porque o crime desse cara foi nos dar oportunidade, por isso ele é tão odiado por eles e respeitado por nós.
Quem cresceu com ele, vá pra rua por ele, traduzindo que não estamos mais misturados, temos consciência de classe e lutaremos por um projeto onde nós somos o centro e não o problema.
Ele não é um indivíduo, ele  somos nós mesmos:  uma causa, uma história,muitas lutas. Uma mudança necessária para o Brasil.
Um país de oportunidades, soberano e de pé diante do mundo.
Ana Affonso é Professora e Vereadora do PT Leopoldense