Hoje é quarta-feira, 23 de maio de 2018

Publicidade

TEXTOS QUE RESSUSCITAM A ARTE – Crônica de João Eichbaum

08 de janeiro, 2018 às 22:55 - por João Eichbaum

Como tudo na vida, o modo de fazer literatura mudou. Já não há lugar, na imprensa e nas editoras, para o texto refinado, fruto do talento e da erudição. Esses espaços, outrora ocupados pela escrita como arte, hoje mais servem como canais de desabafo para interesses ou sentimentos pessoais, sem qualquer compromisso com a estética.

Quer dizer: a escrita deixou de ser arte, manifestação de talento, criação literária. E com a facilidade do “copia” e “cola”, oferecida pelo computador, as coisas pioraram. A linguagem jurídica, por exemplo, que ontem servia de inspiração para Rui Barbosa, hoje não passa de um destrambelhado ajuntamento de palavras, usadas tanto pelo advogado de porta de cadeia, como pelo do ministro do Supremo.

A ganância comercial de revistas e jornais leva tais veículos de comunicação a oferecerem colunas para “famosos” de público garantido e empresários generosos em publicidade, emprestando-lhes o título de cronista ou articulista “convidado”. Aécio Neves, até há pouco tempo, era um deles, na Folha de São Paulo. Deixou de ser “famoso”: esfarelada a tietagem, perdeu o espaço.

Na verdade, o empobrecimento estético da arte da escrita está ligado ao estupefaciente acréscimo de analfabetos funcionais: quem não sabe ler, lê qualquer coisa, principalmente coisas escritas por gente medíocre que se tem por especial.

Mas, como tudo o que acontece de repente, um dia a gente depara com um texto inteligente, as frases concatenadas, os adjetivos e substantivos se acasalando com musicalidade, a linguagem escorreita, com sujeito, predicado e complementos definidos.

O texto encara um assunto batido há séculos e séculos. Um assunto que, da pieguice broxante à poesia de infinito deleite, é o tema preferido no fim do ano: o Natal. Mas, a autora consegue lhe dar feição atualíssima, tecendo-lhe uma nervura de bom humor capaz de desatar lágrimas provocadas pelo riso ininterrupto, sem perder o foco de uma sóbria mensagem social.

Dias depois, a mesma autora, se debruça sobre questões do feminismo, com a mesma linguagem musicada de bom humor e temperada por uma ironia tão elegante quanto sutil. Ela enxuga o texto pela renúncia a inúteis advérbios e pelo jeito leve, mas convincente, de dizer as coisas. E ainda o enriquece com a eloquência dos detalhes, que vão criando acasos e costurando a ironia.

“E Aí, Sobreviveu ao Natal?” e “Por mais Lolas Peludas: um manifesto feminista” são crônicas de Mariléia Sell, publicadas em nosso Visão do Vale. São obras de quem pontifica nas letras, porque sabe lhes emprestar erudição, mesmo com a linguagem despojada dos tempos modernos. E sabe também prender a respiração do leitor até o fim do texto. Ufa! Nem tudo está perdido!

 

Autor

João Eichbaum

Publicidade

quero-quero-banner-1024x97

2016 - Todos os direitos Reservados