Publicidade

Sapiranga: Comunidade Terapêutica é fechada e 12 pessoas são presas acusadas de Sequestro, cárcere privado, fraude processual e tortura

30 de julho, 2018 às 21:30 - por Redação do www.visaodovale.com.br

 

Foto: Divulgação PC

Em operação conjunta de vários órgãos, foram presos em flagrante na tarde desta segunda-feira, 30 de julho, a Presidente da Comunidade Terapêutica Ferrabrás, o Coordenador Terapêutico, e mais dez terapeutas pertencentes ao  “grupo de resgate” (possivelmente grupo de milícia formado pela Presidente e pelo Coordenador Terapêutico, com o intuito de sequestrar e torturar internos fugitivos, tendo em vista o pagamento de mensalidades, multas contratuais e vantagens financeiras).

Foram cumpridos mandados de busca e apreensão em 3 endereços da Comunidade Terapêutica Ferrabrás, encarregada do tratamento e recuperação de drogatidos. As buscas foram realizadas através de uma força tarefa composta pela a Polícia Civil através da Delegacia de Polícia de Sapiranga sob o comando do Delegado  Rafael Sauthier (Del. de Parobé, interino DP Sapiranga), em parceria com o Ministério Público da mesma cidade, Defesa civil municipal, Bombeiros, Assistentes sociais da Secretaria Municipal de Saúde da Prefeitura de Sapiranga.

Em um dos endereços, diversas irregularidades foram encontradas. Diversos internos estavam ali irregularmente, em situação de cárcere privado, permanecendo internados sem seu consentimento, e sem ordem judicial ou orientação médica. Houve relatos de maus tratos e torturas perpetrados contra os internos. Momentos antes da chegada da força tarefa, um dos internos, que estava bastante lesionado, foi arrebatado da clínica para que não houvesse prisão em flagrante ou a comprovação da materialidade da prática de tortura e maus tratos. Tal interno continua até o presente momento desaparecido. Em averiguações, constatou-se que pelo menos dois dos internos apresentavam lesões recentes, sendo que um deles, ao ser encaminhado para atendimento médico, apresentou diagnóstico de fratura nas costelas em decorrência dos maus tratos e espancamentos.

Ao final da operação conjunta, os três locais foram fechados pela Prefeitura por diversas irregularidades administrativas. Além disso, também receberam autuação por irregularidades por parte do corpo de bombeiros. Doze (12) pessoas foram presas e encaminhadas ao sistema prisional pelos delitos supra citados.

Fonte: Assessoria de Imprensa da Polícia Civil 

Autor

Bado Jacoby

bado@visaodovale.com.br

Publicidade

conexão

2016 - Todos os direitos Reservados