Hoje é terça-feira, 22 de agosto de 2017

Publicidade

Ministro de quê mesmo?

02 de junho, 2017 às 10:19 - por João Eichbaum

Torquato Jardim – Crédito: Reprodução/Internet

O senhor Torquato Jardim era uma ilustre figura desconhecida. Aquela parte importante da população brasileira, que trabalha e paga imposto, nunca tinha ouvido falar nele. Seu nome de matuto do sertão só mereceu alguma menção em conversas de bar e de taxistas, quando apareceu nas telas e nas manchetes como o novo ministro da Justiça.

E o que mais chamou atenção nele foi aquele jeito de quem fala primeiro para pensar depois. Soltou o verbo, dando palpites sobre o julgamento de Temer no TSE, qualificando de incensurável a conduta do presidente na conversa com Joesley Batista e questionando as prisões provisórias.

A desenvoltura do então futuro ministro sobre temas que não dizem respeito às funções específicas do Ministério da Justiça levou o senador Álvaro Dias a perguntar: mas ele foi nomeado ministro ou advogado do Temer?

Em entrevista concedida para a jornalista Daniela Lima, da Folha de São Paulo, o descontraído Torquato, perguntado se estava vendo o risco de Temer não concluir o mandato, respondeu: “De jeito nenhum. A questão é econômica e não política”.

Então tá. O presidente fala às escondidas com um sujeito que alardeia poder econômico para dobrar juízes e procuradores da República e que usa circunlóquios recheados de quintas intenções e trai subentendidos, revelando bem aparada intimidade com o chefe do Executivo, para começo de conversa. Depois de tudo isso surge um “homem da confiança do presidente” levando uma mala de dinheiro.

De todo esse enredo nasce a abertura de inquérito e pedidos de impeachment contra o presidente, além do afastamento de um senador. Enquanto isso, partidos aliados do governo o abandonam e no Legislativo já se iniciam manobras na direção do ponto final do governo Temer.

Nesse quadro, revelando uma visão zarolha da atual realidade do país, o ministro enxerga apenas uma “questão econômica”. Talvez toda sua atenção esteja concentrada no dinheiro da mala: afinal, economia tem muito a ver com dinheiro…

Pior do que isso foi sua equívoca reação à pergunta sobre um dos mais angustiantes problemas vividos pelos brasileiros: a falta de segurança. A resposta do doutor pode ter levado muita gente a questionar a desgraça de viver neste país. “Minha experiência na segurança pública – disse o ministro – foi ter duas tias e eu próprio assaltados em Brasília e no Rio de Janeiro”…

Falou.

Autor

João Eichbaum

Publicidade

2016 - Todos os direitos Reservados