Publicidade

Miami é melhor que Fortaleza – Crônica de Mariléia Sell

03 de agosto, 2018 às 13:42 - por Mariléia Sell

Uma experiência sociológica interessante é ficar presa em uma fila, falo presa porque a fila é um lugar compulsório. Inútil resistir, debater-se; a fila é um exercício de resignação, um estágio para a evolução espiritual. Não conheço ninguém que goste de filas, que opte deliberadamente por ficar em filas, embora deva existir alguém nesse mundo. Sempre tem gente do contra! Mas não subestimemos a potência da fila; este lugar tão mundano e tão ordinário já foi merecedor de complexos estudos etnográficos, justamente por revelar práticas sociais igualmente complexas.

Bem, depois de depositar meus 39 itens de metal, conseguir passar pela porta giratória do banco e retirar a senha 4.398, instalei-me em uma cadeira estofada. Hoje em dia, o tempo perdido da espera é compensado com cadeiras estofadas. Quando as hérnias de disco não latejam, os clientes reclamam menos. Comecei a olhar fixamente para o painel das senhas, mas isso, como sabemos, só piora a espera. De repente, meus ouvidos deslizam para uma conversa entre duas senhoras ao meu lado. Elegantes senhoras. Penteadas e escovadas. Cheias de joias. As bolsas custariam o equivalente a um ano de trabalho de uma professora. O assunto era viagens. Comecei a me concentrar no tópico, pensando nas férias, sempre tão desejadas e tão distantes no horizonte. Me disfarcei toda, para que não percebessem minha orelha espichada. Olhei reto para frente, para o moço do caixa, magro e desanimado, provavelmente necessitado de férias. O meu ar blasé encobria um genuíno interesse científico; queria entrar no mundo delas. Se me notassem, entretanto, as falas das elegantes senhoras não teriam valor sociológico, pensei. É preciso ter método!

Tinham estado no Nordeste, as senhoras. Em Fortaleza, mais especificamente. Não se cansavam de elogiar as praias e o hotel magnífico, à beira mar. Já no café da manhã, eram mimadas com tapiocas e frutas exóticas por intermináveis garçons. Tomando sucos de mangaba, apreciavam os coqueiros balançando suavemente. A paisagem as fazia esquecer do frio do Sul. O Sul era terra de extremos! Mangaba é riquíssima em vitamina C; excelente para a pele, lembraram, saudosas. As tapiocas há muito já estavam nas suas cozinhas, por ser um alimento leve, ideal para manter a forma.

A essas alturas, eu já estava tomando coco em alguma praia paradisíaca, mas meu idílio durou pouco. A viagem das senhoras não foi só alegrias; infelizmente elas passaram por alguns desconfortos. Em Fortaleza, havia muita gente feia, lamentaram. A feiura é sempre um elemento a ser lamentado! Horrorizavam-se com as peles tão descuidadas, tão esturricadas pelo sol, tão carentes de vitaminas e de sais minerais. Até as crianças já pareciam velhas em miniaturas. “Não comem proteína”, concluíram em uníssono. Como pode alguém não saber dos malefícios do sol? É tão amplamente divulgado hoje em dia! Mulheres de 25 anos aparentavam ter 45 ou mais. Um verdadeiro horror todo esse desleixo com a aparência! Os cabelos também eram descuidados, ressecados, espetados. Mas isso seus olhos sensíveis até superariam, não fossem os dentes. Como conviver com esses sorrisos murchos?

Também as aborreceu a abordagem invasiva dos nativos. Os vendedores ambulantes não as deixavam em paz por um segundo. Facilmente passavam por gringas, tão brancas que eram: “um verdadeiro assédio”. Como não se incomodar com os corpos tortos e ressecados carregando o mundo para vender? Corpos inclinados com o peso da mercadoria. Com o peso da sobrevivência. Inegavelmente, a estética da pobreza é algo que incomoda. Com tanta falta de beleza, ficou impossível para as senhoras abstraírem da realidade e relaxarem. E quem não precisa, nos tempos que correm, abstrair da realidade? Realidade demais estressa; terreno fértil para os radicais livres. E se há algo a ser evitado nessa vida são os radicais livres.  Eles envelhecem.

As próximas férias precisam, definitivamente, ser melhor planejadas, ponderam seriamente. No Nordeste fica difícil para as simpáticas senhoras esquecerem que estão no Brasil. Considerariam seriamente Miami. Se o dólar ajudar!

Mariléia Sell é Professora Doutora dos Cursos de Letras e Comunicação da Unisinos

 

Autora

Mariléia Sell

Publicidade

conexão

2016 - Todos os direitos Reservados