Hoje é sábado, 16 de dezembro de 2017

Publicidade

MAS O RIO DE JANEIRO CONTINUA LINDO – Crônica de João Eichbaum

23 de novembro, 2017 às 12:32

No artigo 37 da Constituição da República Federativa do Brasil, promulgada “sob a proteção de Deus”, está escrito: “a administração pública direta e indireta de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios obedecerá aos princípios de legalidade, impessoalidade, moralidade…”

Pelo que se tem visto, é pura fantasia. Deus não tá nem aí, e legalidade, moralidade e impessoalidade são palavras que só existem em dicionários embolorados, que ninguém consulta.

É por entregar à malícia ou à incompetência a interpretação de uma Constituição fantasiosa, que o país está vivendo esse pastelão, essa comédia ridícula do faz de conta: faz de conta que prende e faz de conta que solta.

Semana passada, três deputados do Rio de Janeiro, Jorge Picciani Paulo Melo e Edson Albertassi foram presos por ordem da Justiça Federal. Mas, da prisão foram resgatados por colegas seus, numa operação própria de país sem lei. Pasmo, diante da insegurança jurídica, só restava ao povo perguntar: afinal, quem é que manda?

Ontem, através de nova ordem da Justiça Federal, eles voltaram para a cadeia. E, mais uma vez, a indagação que circula, não só entre o povo, como entre aqueles que têm algum conhecimento do Direito é essa: estão brincando de fazer justiça?

No mesmo dia foram presos Anthony Garotinho e sua mulher Rosinha, ex-governadores do Rio de Janeiro. Algum tempo atrás, ele já havia sido preso e, depois de protagonizar uma pantomima de bêbado, foi solto, ao som de um discurso irascível de Gilmar Mendes.

Agora, além dos deputados, são três ex-governadores, Sérgio Cabral, Anthony Garotinho e Rosinha Garotinho, que trocaram seus momentos de glória por quatro paredes nuas. São protagonistas do teatro faz de conta, esperando pelo diretor do pastelão, Gilmar Mendes.

São todos do Rio de Janeiro, o cartão postal do Brasil para o mundo, a imagem de um paraíso, cujo gozo dispensa a morte e as virtudes. Mas a capital, embelezada pela paisagem da baía da Guanabara, com praias cheias de bundas e pernões bronzeados, abriga uma plateia atônita. Uma plateia que pode ter seu sorriso desmanchado, tanto por balas cruzadas, como pela insegurança das instituições. Uma plateia, enfim, que, como todo o país, sustenta as óperas bufas do teatro faz de conta, produzidas em cima dum enredo fantasioso, chamado Constituição Federal.

 

Autor

João Eichbaum

Publicidade

2016 - Todos os direitos Reservados