Hoje é sábado, 16 de dezembro de 2017

Publicidade

ESSE ANIMAL CHAMADO HOMEM – Crônica de João Eichbaum

05 de dezembro, 2017 às 08:53 - por João Eichbaum

 

“Se as pessoas soubessem o quanto custou para nossa espécie chegar a tamanha diversidade, se entendessem a complexidade do processo evolutivo, seriam mais tolerantes umas com as outras”.

Não. Jesus Cristo nunca disso. Para sustentar sua doutrina de “amor ao próximo” com algo mais convincente do que promessa de céu e ameaça de inferno, ele não dispunha da carga científica do professor Walter Neves, autor do pensamento acima.

O doutor Walter Neves, titular do Departamento de Genética e Biologia Evolutiva do Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo, é bioantropólogo. Ele carrega no currículo o galardão de haver descoberto o ser humano mais antigo das Américas: Luzia.

Luzia foi o nome dado pelo próprio professor Walter a um ancestral feminino que viveu em Minas Gerais há, mais ou menos, 13 mil anos, e cujo crânio foi por ele estudado. Muito antes de Jesus Cristo, portanto, já havia gente no Brasil.

O cientista brasileiro participou de várias operações arqueológicas no mundo. Na Geórgia, por exemplo, tomou parte na exumação de um ancestral dos humanos modernos, um Homo Erectus, que remonta a um milhão e oitocentos mil anos. Nessa época, a mitologia judaica certamente ainda não havia criado Javeh, o deus que se tornou cristão.

Em suma, o professor Walter Neves tem autoridade para pregar um entendimento, segundo o qual os homens deveriam ser mais tolerantes, ou seja, menos raivosos, menos críticos, menos arrogantes.

Animais que somos, temos todos os defeitos que vemos nos outros, do mesmo gênero a que pertencemos: da fúria sanguinária do leão à sandice do macaco, passando pela vaidade do pavão e pela rapacidade do gavião, a história da humanidade está cheia.

O papa não é mais sábio, nem mais sublime do que ninguém. Padres, pastores, bispos, cardeais, reis e rainhas são feitos da mesma matéria do morador de rua. E tem mais: sem nada de especial, todos eles só conseguem desocupar os intestinos da mesma forma como o fazem os porcos.

Do ponto de vista científico, como o do professor Walter Neves, ninguém é melhor do que ninguém. As diferenças de cor e de preferências sexuais (prioridades sobrepostas, na ordem do dia, às roubalheiras e à fome que mata crianças) nada mais são do que acidentes. No fundo, tudo não passa de uma questão de sorte, nesse pega-pega que é a corrida de espermatozoides atrás de óvulos.

Autor

João Eichbaum

Publicidade

2016 - Todos os direitos Reservados