Publicidade

… E O PAÍS ENTALADO NA BOLEIA – Crônica de João Eichbaum

30 de maio, 2018 às 15:00 - por João Eichbaum

Como professor de Direito Constitucional, Temer conseguiu construir a maior heresia da história da ciência jurídica no Brasil: transformou os descontraídos e folgazões brasileiros em subalternos de um Estado apocalíptico.

O Direito Constitucional é a fonte das regras de administração do Estado, condensadas na Constituição. Essas regras deveriam representar para os governantes o mesmo que a partitura representa para os músicos, estabelecendo a ordem que preside a harmonia.

Mas, o talento, na música, dispensa a partitura. O dom do ouvido perfeito, aliado à habilidade no manejo do instrumento musical, substitui o pentagrama. O músico, então, “toca de ouvido”.

A política também pode ser “tocada de ouvido”, sem o domínio da literatura jurídica e de todos os conhecimentos específicos sobre administração.  Mas, para isso é preciso também talento, como na música. É preciso ter o dom de absorver as regras que presidem a organização do bem comum e de saber usá-las nas turbulências sociais.

No Brasil, o que temos são aventureiros cevados na falácia, gente que, ou não sabe ler as regras da ciência política, ou não tem competência para “tocar de ouvido”, agregando o interesse de todos em torno do bem comum. O resultado é isso que aí está: um país entregue à violência, à desigualdade e à desordem.

O episódio doloroso, desatado pela insatisfação dos caminhoneiros e sofrido por todos quantos sustentam a nação, é o segundo ato do dramalhão a que foi reduzida nossa história. O primeiro se passou num porão da República, encenado pelo Presidente e um açougueiro, que enriqueceu à custa do rabo dos políticos.

O Temer do encontro furtivo com um iletrado espertalhão é o mesmo Temer que, cercado de incompetentes ministros, se embananou na administração do país: mostrou que não tem capacidade nem para conviver com as misérias da glória.

Quando o povo correu para as boleias dos caminhões, o Presidente se guiou pelo manual dos ofícios tirânicos: ameaçou com soldados os cidadãos que, condenados ao destino infame de viver só para contrariar a morte, são esganados pelo fisco para garantir o luxo e o desperdício com os cartões corporativos da Corte republicana.

 

 

Autor

João Eichbaum

Publicidade

quero-quero-banner-1024x97

2016 - Todos os direitos Reservados